DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL – Módulo Básico

A DLM é para normalizar os líquidos biológicos do corpo.
O Sistema Linfático existe para auxiliar a circulação do sangue e outras funções. Ele ajuda a capturar os líquidos para o Sistema Venoso. Captura as células de maior porte como açúcares e gorduras. Ele é o principal responsável pela defesa do corpo e traz ao corpo seu equilíbrio hídrico.
Este sistema representa uma via auxiliar do Sistema Venoso, através do qual os líquidos corporais provenientes dos espaços teciduais fluem para dentro do sangue.
O Sistema Linfático não possui um órgão central bombeador como o Sistema Cardíaco, e sim um sistema de bomba linfático que age em todo o seu trajeto o qual abre as válvulas permitindo a passagem da linfa.
A remoção de proteínas nos espaços teciduais também é função essencial, pois não existe outro sistema capaz de devolve-la ao sangue.
É também responsável para coagular feridas (solução de continuidade da pele), devido ao grande número de fibroblastos que forma a casca protetora dos ferimentos.
Qual é a trajetória da linfa?  -É captada pelo interstício(espaço entre as células) e jogada no capilar linfático. Do capilar ela vai para o pré-coletor e do pré-coletor para o coletor. Chega no linfonodo e entra na “rede”e volta pelos vasos eferentes. Entra nos canais: ductos e segue o circuito até a jugular com a subclávea.
CAPILARES LINFÁTICOS: são mais calibrosos e mais irregulares que os sanguíneos. São abundantes na pele e nas mucosas onde ocorre absorção de líquidos. Esta absorção se processa porque estas células possuem uma conexão frouxa e não são presas umas às outras. São envolvidos internamente por tecido conjuntivo, elemento elástico e muscular que possibilita a contração e distensão. São localizados em grande número nos tecidos conjuntivos, abaixo da epiderme sendo encontrados até 5mm abaixo da superfície da pele.
VASOS LINFÁTICOS:segunda porção do SL;  possuem válvulas em forma de bolsos que asseguram o fluxo numa só direção. Os vasos são divididos em:
-Pré-coletores : ficam pertinho do capilar linfático e compara-se com vênulas e arteríolas.
-Coletores Linfáticos: possui uma estrutura semelhante a veia de grande calibre com fibras elásticas, musculatura lisa, fibras de colágeno e feixe de musculatura.
Os vasos linfáticos possuem alta capacidade de regeneração caso sejam lesionados
TRONCOS LINFÁTICOS: são os receptores dos vasos linfáticos. Tem seu calibre maior que os vasos e localizam-se na cavidade abdominal e torácica. Vão carrear a linfa até as veias, para que o produto da linfa volte ao Sistema circulatório. O maior é o DUCTO TORÁCICO que desemboca na junção da jugular interna com a veia subclávia do lado esquerdo do tórax.Possui a Cisterna do Quilo, onde desembocam os vãos quilíferos que recolhem o quilo intestinal (após as refeições rica em gordura tem como efeito a produção intestinal de suspensão gordurosa- quilo intestinal).
O segundo maior é o Ducto Linfático Direito, que desemboca na junção da jugular interna com subclávia direita.
LINFONODOS também chamados gânglios linfáticos, nodos linfáticos ou linfonódios. Existem em número de 600 a 700 em todo o corpo de tamanhos variados que pode ir de uma cabeça de alfinete a um caroço de azeitona. Normalmente estão em grupo em locais onde há flexão. Os linfonodos apresentam no seu interior septos conjuntivos que os divide em lobos. A polpa é formada por 2 tipos de estruturas: a cortical que se localiza na periferia, e a medular que fica mais no centro. No seu interior encontra-se finas redes que forçam a linfa passar vagarosamente, retendo substâncias estranhas em sua malha e essas substâncias são fagocitadas por células fagocitárias ali existentes, purificando a linfa. Os vasos linfáticos aferentes são mais finos e em maior número e levam a linfa para o linfonodo. Os eferentes são mais calibrosos e existem em menor quantidade. Os linfonodos são de grande importância para o papel de defesa do organismo, pois desenvolvem anticorpos (glóbulos brancos) e principalmente os linfócitos.

Função Defensiva dos Linfonodos- Quando ocorre infecção em qualquer parte do corpo, os nodos provenientes da área infectada retém o produto da mesma e os destrói através da fagocitose. Quando isso ocorre há uma sobrecarga de trabalho que exige um número maior de unidade de socorro, aumentando a proliferação de células dos nodos e de anticorpos para neutralizar toxinas produzidas pelo microorganismo invasor. Como reação a esta inflamação, eles podem endurecer e tornar-se doloroso causando o infarto ganglionar (íngua). Seu poder de barreira é eficiente até certo ponto, pois podem disseminar infecções e neoplasias para outros órgãos e tecidos causando até a sepcemia e mestátase.
A inflamação é uma reação natural do corpo. Fisiológica. Quando você bate e se machuca e mata uma quantidade de células. Aí o sangue irriga mais aquela área, incha,…Na infecção existe um agente agressor externo. O Sistema Linfático vai agir nos dois mas na infecção a responsabilidade é maior. Quando encontramos infecção não podemos mexer com o Sistema Linfático porque ele precisa detectar o agressor. Nas inflamações o Sist,Linfático é responsável pela retenção do líquido inflamatório. Nas infecções ele vai fabricar os  linfócitos e anticorpos para combater o agente.

CENTROS COLETORES LINFÁTICOS:
Linfonodos Inguinais – de 15 a 17 e apresentam-se em 2 grupos: superficiais e profundos. O superficial recebe a linfa da coxa, nádegas, porção inferior da barriga, tecidos superficiais da perna, períneo e órgãos genitais externos. O Profundo recebe a linfa dos Superficiais.

Linfonodos da Cavidade Poplítea – São pequenos e de 1 a 5. Situam-se na fossa poplítea .Recebe a linfa da perna e do pé. Seus vasos eferentes terminam nos inguinais profundos.

Linfonodos Axilares – São em 5 grupos:

  1. linfonodos laterais- drenam o membro superior. Raiz do braço.
  2. Linfonodos peitorais – drenam as mamas.Parede alta do lado.
  3. Linfonodos posteriores – drenam a região posterior do ombro.
  4. Linfonodos Centrais – recebe a linfa dos 3 grupos anteriores.Oco axilar.
  5. Linfonodos Apicais – recebe a linfa dos 4 anteriores e joga diretamente no ângulo venoso.

CONTRA INDICAÇÕES PARA A DRENAGEM:

  1. ICC (Insuficiência Cardíaca Congestiva)
  2. Infecção Aguda
  3. Estado febril
  4. Câncer ou tuberculose
  5. Doenças de pele
  6. Hipersensibilidade Grave (dor)
  7. Edemas Graves
  8. Doenças vasculares graves
  9. Tromboflebite ou trombo
  10. Linfedema Obstrutivo (infeccioso ou não)
  11. Doenças cardíacas.

TÉCNICAS PARA UMA BOA ATUAÇÃO :
Material necessário: maca, calço para erguer o pé da cama,lençóis para proteger  o cliente da exposição excessiva, óleo ou creme para deslizar as mãos durante as manobras.

Preparo das mãos: limpas, bem cuidadas, unhas curtas e arredondadas, livre de ferimentos, bem lavadas antes da massagem, não deve estar com anéis e pulseiras, lavar com álcool várias vezes.
Para o Relaxamento: o terapeuta deve estar relaxado, tranqüilo, silencioso e fazer movimentos lentos. Eliminar fatores inibidores como medo do desconhecido, ruído excessivo, frio, exposição do corpo,… e proporcionar conforto através do bom posicionamento do paciente e música ambiente.

Precauções: Monitorar as reações do paciente, manter os objetos necessários ao alcance das mãos, evitar a presença de terceiros no ambiente, higiene arrojada, assepsia do corpo do paciente e conhecer as contra indicações e a condição do paciente.

Efeitos da Massagem – Mecânico, que movimenta a linfa dentro dos seus condutos e promove maior movimento de sangue venoso nos vasos sangüíneos. As manobras são capazes de empurrar as substâncias não aderidas aos tecidos.
Fisiológico: aumento da circulação sangüínea e linfática, reduz edema e hematoma, aumenta o fluxo dos nutrientes, estimula circulação, remove catabólicos, aumenta a mobilidade articular, estimula função visceral, relaxamento local e geral, alívio da dor.
Psicológico: Relaxamento físico, alívio da ansiedade e tensão, sensação de bem estar.
Efeitos possíveis de observação (aparentes)- aumento da micção e diminuição do estado de vigília (tende a ficar sonolento).

TÉCNICAS DE MANIPULAÇÃO OU MASSOTERAPIA

A aplicação de técnicas deve provocar sensação agradável ao paciente levando-o ao bem-estar. Se as manobras provocarem desconforto ou dor, a técnica está sendo aplicada de forma errada.
Os processos que visam remover e transportar a linfa de volta a circulação sangüínea é a captação e evacuação.
Captação: é realizada diretamente sobre o segmento edemaciado visando aumentar a captação da linfa pelo capilar linfático.
Evacuação: as manobras se dão nos pré-coletores e coletores linfáticos, os quais transportarão a linfa captada pelo capilar. Deve iniciar a DLM com as técnicas de evacuação para obter o esvaziamento prévio dos coletores deixando fluir as vias da linfa.

DESLIZAMENTO SUPERFICIAL:para aumentar o limiar do paciente.
ENFLEURAGE: alisamento lento no sentido do fluxo linfático com pressão crescente e significativa, e pausas definidas para dar tempo de fechamento das válvulas e movimentos linfáticos dentro dos nodos.Desliza e bombeia os linfonodos. Manobra mais para captação.

AMASSAMENTO:manobra de evacuação e pode ser usada com a enfleurage.Movimento circular com 1 mão empurrando a linfa para cima. Nunca deve ser usada numa área edemaciada. Pressão de tecidoXtecido. Bom para trabalhos profundos pois tem grande ação mecânica. Viabiliza a mobilização dos líquidos contidos nos gânglios linmfáticos e tecido conjuntivo de grandes grupos musculares.

BELISCAMENTO OU BOMBEAMENTO: potenta para puxar a linfa para dentro. Funciona bem em áreas frouxas e libera as células de gordura no local. Ex. barriga, glúteo, culote. Agarre o tecido para ergue-lo dos tecidos subjacentes.Pode ser feito o pinçamneto com a polpa do polegar e o indicador. Apesar de seu grande benefício é pouco usada na DLM.

ROLAMENTO DA PELE: Manobra de captação e funciona muito no abdômem. Levanta a pele e rola com o polegar.Melhora a elasticidade da pele e mobiliza as estruturas subcutâneas.

BRACELETE: manobra de muita captação e pouca evacuação. É um deslizamento onde se envolve um membro. As mãos envolve todo o membro. A pressão exercida deve ser maior que no alisamento superficial.

BOMBEAMENTO: manobra de evacuação. Só utilizamos em cima dos gânglios linfáticos. Parece com o amassamento, porém, é mais forte. Com a ponta dos dedos semi-flexionados ou com as mãos sobrepostas, sem deslizar no tecido, fazer movimentos circulares enviando a linfa no sentido centrípeto.

PASSAR E ENVIAR: manobra de deslizamento para captação, usada nas áreas internas( ex. coxa). Usa  as mãos lado a lado, de distal para bombear proximal, recebe a linfa e passa em direção aos gânglios.

PASSO DE GANSO: com os polegares fazer deslizamento alternando cada dedo no sentido dos gânglios. Bom para regiões pequenas. Manobra p/ captação.

PATÃO: para áreas maiores que a anterior. Com a palma das mãos fazer o deslizamento alternando cada mão no sentido dos gânglios. Bom para grandes regiões.

VÔO DO CISNE: manobra para captação. Desliza e puxa para cima com a rotação das mãos.Iniciar próximo aos gânglios e progredir nas regiões mais distantes.

DRENANDO OS SEGMENTOS:
-PERNAS DECÚBITO DORSAL-
1-Descongestionar os gânglios inguinais usando bombeamento.
2-Enfleurage na coxa e perna.
3-Vôo do cisne  na região proximal até o joelho.
4-Drenar a coxa com movimeto Patão seguido de amassamento na coxa para atingir capilares e vasos linf;aticos mais profundos.
5- Passar e enviar na região interna da coxa.
6- Desenfartar gânglios linfáticos poplíteos com bombeamento na região posterior do joelho.
7-Fazer o deslizamento superficial em região anterior da perna.
8- Amassamento em regiões laterais das pernas.
9- Repetir o procedimento 6.
10- Bombeamento no tendão de Aquiles.
11- Passo de ganso no dorso do pé.
12- Bombear usando polegar e indicador as articulações dos dedos.
13- Bombear com o polegar e o indicador a polpa digital e lateral dos dedos.
14- Bracelete na região das pernas e coxa.
15- Repetir os procedimentos 4 e l. Terminar com enfleurage em coxa e perna.

-PERNAS  DECÚBITO VENTRAL-
(usar coxim abaixo do tornozelo e do abdômem)

1- Iniciar com enfleurage em todo membro inferior.
2- Empurrar para cima a linfa da região da coxa com vôo do cisne, avançando progressivamente em direção ao joelho.
3- Alisamento superficial acompanhado de amassamento da região gútea.
4- Patão no glúteo, quadris e coxa.
5- Bombear a região glútea com as mãos sobrepostas.
6- Desenfartar os gânglios da região poplítea com bombeamento.
7- Deslizamento superficial acompanhado de amassamento na panturrilha.
8- Caso for necessário, beliscamento na região da coxa.
9-Bracelete na panturrilha.
10- Patão sobre a panturrilha.
ll- Terminar com enfleurage no membro inferior.

DLM – BRAÇOS – DECÚBITO DORSAL
1-Desenfartar os gânglios linfáticos axilares fazendo bombeamento na região peitoral e axilar.
2-Enfleurage com a mão externa e com a mão interna segurar o punho.
3- Bracelete do cotovelo até o ombro.
4- Vôo do cisne da axila até o cotovelo.
5- Bombeamento dos gânglios axilares.
6- Bombear com passo de ganso a linfa do ombro para as axilas.
7- Repetir o procedimento 1.
8- Drenar a parte interna do braço com a manobra passar e enviar do punho até o cotovelo.
9- Usando o bracelete drenar do punho até o cotovelo.
10- Bombear axilas.
11- Com o passo de ganso enviar a linfa das mãos para o punho.
12-Bombear articulações dos dedos.
13-Com polegar e indicador segurando os dedos um a um, fazer deslizamento superficial.
14- Finalizar com enfleurage em todo membro superior.

REVISÃO:
O sangue arterial é rico em O2 e metabólicos que possibilitará as células a gerarem energia para funcionar. O sangue venoso é rico em CO2 e catabólicos que são produto do metabolismo celular.
A OSMOSE é  um mecanismo que possibilita o equilíbrio de substâncias pelo mecenismo de cede-la do meio mais concentrado ao menos concentrado. Dentro do interstício sempre haverá menor quantidade de líquidos que no Sistema Circulatório. Por isso a osmose não age sobre este líquido para devolve-lo à corrente circulatória, sendo necessário a existência de um sistema auxiliar para a sua captação.
Órgãos Linfóides que produzem as células do Sist.Linfático: BAÇO é hematopoético porque é responsável pela produção das células do sangue.Na infância produz linfócitos e depois diminui bem.O Baço limpa as células velhas porque tem uma redinha. As hemáceas jovens passam e as velhas estouram e a vitamina K é liberada  do baço e o baço tem condição de criar nova hemácea. A vitamina K é responsável pela hemácea existir. O TIMO também é hematopoético e sua produção também é maior na infância. Os LINFONODOS e a MEDULA ÓSSEA (principalmente dos ossos grandes são excelentes produtores de hemáceas e linfócitos).Que são os 2 últimos que ficamos na idade adulta.

O que é a LINFA?- quando o sangue passa pelo vaso capilar e na arteríola, uma fração líquida (o plasma) escapa pela parede porosa. Essa fração aquosa circunda as células e lhes cedem substâncias trazidas do sangue, ao mesmo tempo que recolhe resíduos do metabolismo celular. Este líquido estagna nos espaços teciduais e se não fosse o Sistema de Drenagem Linfática dos Capilares Linfáticos,entraria em colapso. Quando este líquido entra noc capilares linfáticos recebe o nome de LINFA. Este líquido tem grande concentração de proteína( 3 a 5 %), é rico em C)2, fibrogênio(produz a casquinha das feridas), gorduras, grandes partículas celulares, bactérias, vírus, toxinas e outras. À medida em que a Linfa passa pelos gânglios linfáticos, essas partículas nocivas são removidas e destruídas.

O FLUXO LINFÄTICO é relativamente lento (+ou- 3 litros em 24h)durante períodos de inatividade. Cresce durante com perestaltismo, atividade muscular, aumento da pressão arterial.. A pressão para iniciar o processo de osmose no interstício é 28,3mmHg. Pressão que puxa o líquido para dentro do vaso linfático é 28mmHg. O diferencial de pressão é 0.3mmHg. O que provoca o diferencial de pressão? O aumento da quantidade de líquidos no interstício.Quando o músculo contrai ele se encurta e sofre pressão e drena. Movimento incidental:andar drena…quando se inclui movimento sobe para 5 a 15 litros de linfa. Com um trabalho + pesado pode chegar a 45 litros de linfa.

SISTEMA DE BOMBA LINFÁTICA: contração intrínseca( dentro dos vasos controlada pelo Sist.Nervoso Central): movimentos incidentais como respiração,locomoção,perestaltismo; Mecanismos Extrínsecos:meias, botas, piscina.

Exame de Edema: Sinal de Cacifo:comprime o tecido e o sinal desaparece após 5 a 30 min. Sinal da Tecla de Piano: comprime o tecido e o líquido flui em ondas e retorna rapidamente ao local de origem.
Causas do Edema: obstrução venosa por coágulo, insuficiência cardíaca, diminuição de proteína, retenção hídrica, destruição do endotélio capilar(queimaduras,reação alérgica,etc.).

Facilitadora: Zuleika Menezes