UMBANDA – ALGUNS CONCEITOS FORMADORES.

Vendemos nossa liberdade muitas vezes por um pacote de palavras vazias. É mais cômodo. Se o sistema falhar a culpa não é nossa. Apenas trocamos de religião. O erro consiste em aceitar ao invés de compreender. Sabia que é muito mais fácil aceitar cegamente do que compreender verdadeiramente e tornar-se livre?

-Vó Luíza-

 

DEFINIÇÕES:

DO RITUAL

 

 

FIRMEZAS ANTERIORES A REUNIÃO

Exu – porque ele é o guardião de cada um para que sejam afastados os ditos “carregos”.

Alma – para buscar na sua linhagem espiritual o fortalecimento de suas energias para que sejam encaminhados e socorridos qualquer aproximação espiritual de amigos e familiares desencarnados ou os que buscam socorro com você, que acompanharam de algum lugar, enfim, espíritos que não lhe querem nenhum mal, mas que podem estar muito próximos e com isso trazendo desconforto.

Anjo de Guarda – na Umbanda o seu anjo é o seu Orixá. Quando não se conhece o Orixá fala-se “anjo da guarda”, uma vez conhecido se firma para o Orixá pessoal ou da casa, dependendo do caso.

 

FORMAÇÃO DA CORRENTE

– Quando formamos a “Roda” de Médiuns no barracão e a assistência já está distribuída para os Pretos Velhos que trabalharão no atendimento, os acompanhamentos espirituais das pessoas já vão sendo “ligados” energeticamente aos médiuns trabalhadores e ao dirigente da reunião, devemos ter a noção de que cada um de nós passou por um dia diferente, uma preparação para a reunião diferente, enfim, e a abertura é a afinação das energias para tornar o mais homogêneo possível o grupo envolvido. A afinação passa pelo passo igual para frente e para trás, as cantigas com a energia em alta, palmas para ativar o chakra do coração e dar mais leveza e alegria.

 

DURANTE A CORRENTE

– Os Médiuns trabalhadores estão desempenhando a sua função de atendimento. Quem não está trabalhando com o Guia está doando energia para a reunião, por isso todos são muito importantes dentro da reunião. O Cruzeiro e a Casa de Exu está recebendo os espíritos que são encaminhados pelos Pretos Velhos e por isso devem estar firmados e em silêncio para permitir o trabalho espiritual que nossa visão não consegue enxergar. Tudo está dentro de uma dinâmica perfeita e o que poderá estragar todo o planejamento espiritual? Os médiuns que saem da sintonia do trabalho e vão conversar, fumar, ficar à toa fora do barracão, enfim, nós mesmos somos os responsáveis pelas dificuldades encontradas pelo Plano Espiritual. Vigiai e Orai durante a reunião.

 

BANHOS DE ERVAS

– Todo Umbandista recorre às ervas para liberar as energias negativas do corpo espiritual. O bom umbandista toma pelo menos 2 banhos de descarrego por semana para se manter limpo espiritualmente. Para catar ervas na natureza devemos acender primeiro uma vela para Ossãe.

-Banho de Descarrego – usamos ervas de Ogum, Iansã e ervas passadas pelos Velhos.

-Banhos para repor energia – ervas dos nossos Orixás.

-Banhos para problemas de saúde – ervas de Oxalá e Obaluaiê ou Omulu. Como Ossãe é o “médico” podemos incluir suas ervas também.

-Banhos para problemas familiares – ervas de Iemanjá e Oxalá.

-Banhos para problemas amorosos – ervas de Oxum com Oxalá.

-Banhos para resolver problemas judiciais – ervas de Xangô com Oxalá.

-Banhos para conseguir trabalho – ervas de Oxosse com Ogum.

-Banhos para abrir caminhos – ervas de Ogum

-Banhos para afastar perigo de morte – ervas de Nanã e Oxalá

-Banhos para engravidar – ervas de Erê, Oxum e Oxalá.

-Banhos para descarregar almas – ervas de Iansã, Omulu, Nanã e Oxalá.

 

 

BÊNÇÃO OU MUCUIÚ

– É uma forma de ser abençoado pelo Orixá dono do Axé quando se pede ao Pai ou Mãe de Santo. O ato de abençoar é se ligar mais e mais as energias sustentadoras da casa porque é através deste carinho e amor que se estabelece uma verdadeira relação de pai e filho de santo. Um filho de santo jamais deverá se dirigir ao seu pai ou sua mãe sem lhe pedir a bênção.

 

Axé,

Odékainã

Posted in: