A Natureza dos nossos desejos

Para o homem, diferentemente das outras espécies, apenas comer, beber, dormir, o exercício da sobrevivência não basta. Precisamos de REALIZAÇÃO.

Mas na busca desta tal Realização vai adoecendo quando os nossos desejos de sobrevivência vão fracassando e vamos nos contaminando por uma frustração crescente e isso nos trazendo distúrbios físicos, emocionais e espirituais.

Precisamos reconhecer que existe o Desejo Real e o Desejo Aparente.

O Desejo Real vem da aquisição de um bem, de um amor, de uma conquista, enfim, daquilo que preenche a nossa sobrevivência. Na verdade, se pensarmos bem, não queremos aquela coisa, mas o estado emocional que ela provoca, o estado emocional que pode ser alcançado com aquela conquista.

O Desejo Real só tem uma fonte: a Busca da Luz.

Uma pessoa que pretende se tornar mais sábia e quer entender os mistérios da existência também busca elementos extra físicos, mas o desejo dela é muito diferente daquele que trabalha anos para adquirir um carro, por exemplo. Mas existe semelhança nas duas ambições.

Assim como quem busca algo material, aquele que busca sabedoria e iluminação também não busca algo tangível. Pode ser que almeje se tornar um ser humano melhor, mas também pode estar sendo levado pela busca pelo poder, e assim contaminando seu desejo real.

Um exercício para experimentar esta habilidade é fazer uma grande arrumação na sua vida. Comece pela sua casa. Compartilhe com quem precisa os objetos que você não utiliza. Sua casa é um lugar sagrado e precisa cuidar dela como se fosse um templo.

Isso ajudará a distinguir os desejos que te elevam dos desejos que produzem prazer temporário e descartável. Olhe para o objeto a ser doado e pensa: será que todo esforço que fiz para conseguir isso foi bom? Observe os objetos que tinham importância e que hoje viraram lixo.

Experimente durante o dia repetir: “SOU EU QUE DOU SIGNIFICADO PARA TUDO QUE VEJO”.

A partir daí vá separando: o que é importante do que é essencial.

Tudo que tem conceito de importante é fugaz. Somente aquilo que é essencial fica para sempre.

Pensemos sobre a natureza dos nossos desejos e saibamos que conhecemos muito pouco em relação  eles.

MEDITAÇÃO PARA APRENDER A DISTINGUIR OS DESEJOS:

 

  • Sente-se num local calmo e respire profundamente. Pense sobre seus desejos. Permita que eles venham à tona e vai se sentindo envolvido numa Luz.
  • Envolvido nesta Luz repita o mantra sagrado:VERRÚ
  • Esta palavra em hebraico dá discernimento sobre aquilo que desejamos.

 

Vamos meditar.

Axé!

 

Obaraiyê

Posted in: