ENCANTARIA BRASILEIRA ENTRE CABOCLOS E ENCANTADOS

Mudanças recentes em cultos de caboclo na perspectiva de um chefe de terreiro.

 

Da mesma forma que a religião afro-brasileira tomou nomes nos diversos lugares do Brasil onde se fixou e se desenvolveu, também as entidades não africanas tiveram denominações diversas. De modo geral, contudo, usou-se para designá-las os nomes genéricos de caboclo e encantado, este mais característico do tambor-de-mina.

Encantado é um termo genérico para designar entidades que não os voduns, orixás e inquices. No tambor-de-mina, são divindades que descem no mundo dos vivos com o mesmo prestígio que os deuses africanos, tendo com estes grandes correlações, relações de respeito e culto quase que paralelos. Para o povo do tambor-de-mina, o encantado não é o espírito de um humano que morreu que perdeu seu corpo físico, não sendo, por conseguinte um egum. Ele se transformou, tomou outra feição, nova maneira de ser. Encantou-se, tomou uma nova forma de vida, numa planta, num acidente físico-geográfico, num peixe, num animal, virou vento, fumaça. Está presente entre nós, mas não o vemos. Ele encantou-se e permaneceu com a mesma idade cronológica que tinha quando esse fato se deu.

A encantaria do tambor-de-mina, aliás, pouco identificável noutros cultos afro-brasileiros, divide-se em:

 

  1. Encantaria gentil, que reúne as famílias de reis, rainhas, príncipes, princesas e nobres.
  2. Encantaria cabocla, em que aparecem várias famílias, sendo 21 as principais, entr5e elas. A do Lençol, da Turquia, do Codó, da Gama, do Juncal, da Mata, dos Marinheiros, das Caravelas, das Cobras, dos Surrupiras, dos Botos, da Bandeira, da Baía, do Pará e de Caxias (de Dom Pedro Angasso).

 

O que se manifesta na encantaria é, pois, o encantado, a palavra caboclo, muito comum na encantaria, é um nome genérico usado na mina para quase todos os encantados e não tem no tambor-de-mina o mesmo sentido dado na Umbanda e nos demais cultos afro-brasileiros.

 

Na próxima semana continuaremos falando sobre o assunto.

Odékainã.

 

Fonte:

  • Francelino de Shapanan (Chefe de terreiro)
  • Encantaria Brasileira  –  O  livro  dos  Mestre, Caboclos e  Encantados ( Reginaldo Prandi)
Posted in: