Conheça o poder e a energia das ervas para seu bem-estar

Carregadas de energia transformadora, ervas dissolvem fluidos negativos, trazendo proteção, bem-estar, alegria e prosperidade.

Júlia Mesquita

As ervas podem ser facilmente cultivadas em casa

Ervas são capazes de aliviar a dor, facilitar a digestão e fortalecer o sistema imunológico. Mas ainda é mistério para a ciência entender por que muita gente acredita no poder que elas têm de atrair amor, proteção e prosperidade. Podemos encontrar uma pista sobre a origem dessa crença se voltarmos um pouco no tempo. Os egípcios achavam que só os deuses poderiam ter criado plantas tão aromáticas como as ervas, por isso, mantinham-nas por perto para que pudessem se aproximar do sagrado. Até hoje eles queimam o alecrim nos templos e igrejas. Já os romanos faziam coroas de louro aos atletas para que, além de um físico são, tivessem uma mente sã. Daí o ditado “mente sã, corpo são”. Sem falar nas nossas benzedeiras, que usam galhos de arruda para espantar a energia ruim que emperra o caminho ou prejudica a saúde da pessoa benzida. Segundo Adriano Camargo, autor do livro O Poder das Ervas (ed. Panorama), no Brasil, a relação mística com as ervas foi herdada da religião africana e dos rituais indígenas. Os adeptos da fitoterapia também recorrem a elas para dissolver sentimentos desfavoráveis: “as moléculas aromáticas das ervas são captadas pelo olfato e traduzidas para o sistema límbico como impulsos nervosos que atuam diretamente no humor e estado físico e emocional”, escreve Ângela Lima no livro Banhos Terapêuticos e Ritualísticos (ed. Epub).

Cultive-as em casa

As ervas geralmente têm formato delicado, exigindo um pedaço pequeno de terra, sol e água para crescer. Por isso, podem ser facilmente cultivadas em casa, no jardim ou num vaso na varanda. “Os alquimistas costumavam cultivar essas plantas para que pudessem ter contato com a energia delas e, assim, se sentirem fortalecidos para a manipulação dos medicamentos”, conta Sérgio Franceschini, bioquímico e fito terapeuta do Centro de Estudos Casa da Terra, em São Paulo. Confira as propriedades de oito ervas purificadoras:

 

ALECRIM

Origem: Mediterrâneo. Os gregos faziam coroas com essa erva para usá-las nas festas como símbolo de prosperidade. Se a missão fosse intelectual, entrelaçavam seus ramos no cabelo para estimular a memória. Segundo a cultura popular, suas folhas fazem a energia circular, evitando o acúmulo de vibrações negativas. A infusão usada no banho ou borrifada no ambiente traz equilíbrio e alegria.

 

MANJERICÃO

Origem: Ásia. Associado à riqueza, abundância e boa sorte. Dizem que, na casa onde são cultivados sete tipos diferentes de manjericão, o dinheiro e a prosperidade estão garantidos. Seu aroma é considerado estimulante e revitalizador. Usado no banho, “lava” toda a energia ruim. Diz a crença popular que pessoas que fazem trabalhos intelectuais rendem mais quando têm um vaso da erva no ambiente.

 

LOURO

Origem: Oriente. Desde a Antiguidade ele representa a glória, o triunfo e a fama, tendo sido muito usado pelos gregos e romanos como símbolo de status. O imperador romano Júlio César acreditava que a coroa de louro clareava a sua mente, ajudando-o a governar melhor. Segundo a crença popular, manter uma folha seca dentro da carteira atrai dinheiro. E a infusão usada no banho ou no ambiente purifica e relaxa.

 

BABOSA

O gel encontrado na babosa é excelente para tratar queimaduras

Origem: África. Foram os escravos que trouxeram essa planta para o Brasil. Eles acreditavam que ela tivesse o poder de afastar qualquer tipo de doença. O gel encontrado no interior da folha é considerado excelente para fortalecer os fios de cabelo e tratar queimaduras.

 

BOLDO DO CHILE

Origem: Chilenas religiões afro-brasileiras, ele é conhecido como tapete de Oxalá. É usado para acalmar, permitindo que você tenha uma visão melhor para os negócios e, com isso, maior chance de prosperar. Curiosamente, a fitoterapia recomenda o boldo para problemas digestivos e para manter o fígado, órgão da ira, equilibrado. Plantar e cuidar. Encontre um espacinho para tê-las sempre ao seu lado.

 

ORÉGANO

Origem: Mediterrâneo. O aroma marcante desta erva promove vigor e ajuda na tomada de decisões. “O orégano e a manjerona (as duas são parecidas) são plantas usadas para fortalecer o amor e proteger a casa. Um vaso com essas ervas é um ótimo presente para quem está triste e deprimido, pois elas atraem alegria e pensamentos felizes”, sugere Rosy Bornhausen, autora do bonito livro As Ervas do Sítio (ed. Bei).

 

SÁLVIA

Origem: Mediterrâneo. Existe um ditado romano que diz assim: “Como alguém pode ficar doente tendo sálvia plantada no jardim?”. Essa planta costumava ser colocada ao lado de uma pessoa enferma para que a folha – comprida peluda e rugosa – pudesse absorver a energia ruim para depois ser queimada. Na mitologia, a sálvia aparece como um escudo contra mau olhado e olho gordo.

 

 

 

 

 

 

A  mãe Natureza cria um elo entre nossa essência, eventualmente adormecida, com a Lei Maior que é  a essência do Criador, com aquilo que ela tem de mais seu:     suas ervas.

Sabemos e é comprovado o uso  das ervas nas curas do  organismo humano, mas agora podemos ter a opção de tê-las como curativas da alma.

As ervas são produzidas no maior laboratório Elemental da natureza: a Terra. Observando-as e estudando-as sabemos em que situação usá-las. Poderá ser na forma de incenso, fusão, óleos, chás, sendo que no caso de ingestão, deve-se sempre consultar um especialista, que será o melhor indicador de como usá-las corretamente.

Muitos tem por hábito apenas ferver as folhas de determinada erva, para que seu vapor purifique o ambiente e a alma das pessoas que nele se encontram. Tente. Será algo novo que lhe deixará repleto! Relacionamos algumas ervas, por seus nomes mais conhecidos e  populares:

 

Alecrim

Indicado para aqueles que tendem sempre a guardar, reter sentimentos como mágoas e ressentimentos, liberando estas energias já densas, alterando o seu padrão, realçando o exercício do perdão e trazendo a alegria e o amor á tona em nossos comportamentos.

Alfazema

Aos que agem de maneira impensada ou sentem insegurança para agir despertando o discernimento. Atua nos sistemas nervosos do corpo acalmando-os, permitindo diminuir as culpas de atos impensados e ajudando a manifestação da intuição.

Anis

Ensina o fluir natural dos sentimentos da forma como eles se originam, sem que as barreiras conceituais ou outras manifestações da personalidade tenham qualquer influência.

Arnica

Combate à dispersão excessiva naqueles que pensam intensamente sobre vários assuntos ao mesmo tempo e não conseguem agir sobre nenhum deles, prejudicando o seu caminhar como um todo. Atua trazendo-os para a ação e conclusão.

Arruda

Promove a queima interna ativando o elemento fogo dentro de nós. Dissipa os elementos densos e negativos e limpa os nossos arquivos, trazendo consciência plena de nossos potenciais, inclusive os espirituais.

Artemísia

Aos que “fabricam” pensamentos com ansiedade a ponto de gerar emoções grosseiras e irreais. Traz à razão o padrão de suas próprias ideias, rapidamente e com consciência.

Assa-Peixe

Para aqueles que retêm a energia sexual a ponto de provocar tensão, essa flor libera essa potente energia represada através de emoções e sentimentos mais tranquilos, e pede ao ser que não se reprima ou se deixe oprimir, nessa área, por preconceitos.

Babosa

Promove a transferência da energia usada excessivamente no “pensar”, principalmente aqueles que não conseguem fazê-lo, mesmo conscientes de que precisam, devolvendo a energia excessiva aos sistemas físicos de eliminação.

Bálsamo

Trabalha exclusivamente nas emoções represadas pela falta de expressão, que endurecem o Ser. Libera essa energia retida de forma suave, contatando o elemento água.

Boldo

Com energia contraída, leva o ser a refletir sobre sentimentos e emoções reprimidas que o levam a ter atitudes tempestuosas e impulsivas, principalmente às raivas contidas, de maneira mais branda.

Camomila

Para aqueles que criam tanta expectativa em relação ao futuro que se desequilibram emocionalmente, tentando digerir algo que ainda não foi cozinhado. Essa flor desperta neles, a energia da calma, da confiança e da paciência.

Cânfora

Formidável para aqueles que acreditam que a vida é apenas a manifestação dos que captam os nossos cinco sentidos físicos, essa flor gera movimentos de introspecção sobre essa ideia, fazendo fluir essa energia contida para as áreas espirituais.

Capuchinha

Expressão chave para esse floral: carência afetiva. Para dar consciência desse assunto, promove à união energética das energias do corpo físico, trazendo á lembrança à importância da liberação do tocar e ser tocado.

Carqueja

Forte depuradora de emoções envelhecidas, por teimosia em manter “verdades” internas, essa flor limpa esses meridianos, criando condições de aceitação a novo valores e sentimentos.

Catinga-da-Mulata

Promove em toda a aura uma verdadeira “faxina” energética, conservando o bom fluxo do prana (energia vital da alma), nos chakras (canais de fluxo energético entre a aura e o corpo físico), principalmente no plexo solar.

Coentro

Promove força e coragem quando nos sentimos acuados e sem reação diante de situações que necessitamos enfrentar sem medo. Principalmente, quando o assunto é “mudança” ou “novidade”.

Confrei

Para os momentos de tomada de consciência de nosso estado interno de aparente demolição, gerando a força vitalizadora, colocando-nos de pé e nos dando ciência das ferramentas que devemos reutilizar.

Dente de Leão

Excelente para aqueles que, conscientemente, sabem que terão uma batalha pela frente, da qual não podem e não devem fugir. E, para enfrentá-la necessitam de dois ingredientes que essa flor dinamiza: força e coragem.

Espinheira Santa

Muito importante para aqueles que confundem emoções e sentimentos e, diante de situações sentimentais, agem com a emoção, desequilibrando-se, pois trazem para si o problema alheio. Acalma as emoções.

Gervão

Quando o acúmulo de raiva e outros sentimentos muito grosseiros atinge um nível muito grande, não cabendo mais a introspecção para compreendê-los. Geralmente, para aqueles que negam sua face raivosa.

Guiné

Essa flor possui características purificadoras de negatividades que, acumuladas, melhora os estados de tensão em todo o corpo. Ativa o elemento fogo para dissipá-las, agindo como um “antigripal” da aura humana.

Hortelã-Pimenta

Para as pessoas que se privam de liberar suas emoções por conceitos do tipo: “não sei se fica bem…”, “o que os outros vão pensar…”. “esta atitude não cabe a uma pessoa do meu nível…” etc. Essa flor libera o que ficou retido de forma descontraída.

Jaborandi

Para os movimentos de grandes mudanças externas em nossas vidas, que exigem coragem para enfrentá-las sem nos afastarmos de nosso eixo pessoal, físico e espiritual.

Jurubeba

Floral de grande poder dentro de nós, principalmente para aqueles que se desvalorizam e perdem a vontade própria diante de perdas e sentimentos, ficando presos aos sentimentos do passado, desequilibrando o presente.

Macela

Com vibrações muito sutis em nossa alma, essa flor pede a parada total de nosso Ser, pois o excesso de atividade ou de informação pode impedir a comunicação de energias suprafísicas, desejosas de indicar novos rumos e perspectivas.

Manjericão

Atuando como regulador da liberação da energia da vontade, ameniza a personalidade que, oprimida, provoca reações explosivas de autodefesa. Desperta o fluxo material dos instintos.

Melissa

Para os momentos nos quais seja necessário retomar o fio da meada em relação aos nossos problemas internos, essa flor funciona como uma lupa, ampliando a nossa capacidade de visualização e dimensionamento dos mesmos, fazendo-nos atuar sobre eles.

Metrasto

Essa flor limpa o Eu, trazendo á consciência à manifestação pura dos sentimentos, fortalecendo-os. Ideal para aqueles que, não confiando nos seus próprios sentimentos, não lhes conseguem dar o devido valor e perdem a oportunidade de contatar novos amigos e situações agradáveis.

Mil-Folhas

Para os casos em que traumas ou experiências consideradas vegetativas bloqueiam muito o desenvolvimento natural da vida em todos os sentidos. Esse desbloqueio se dá através do meridiano cardíaco, no qual moram os sentimentos profundos e verdadeiros, limpando-os e espargindo essa energia purificadora para toda a aura.

Picão

Indicado para aqueles que, em processo de autoconhecimento, tendem facilmente a criar atitudes internas de autopunição e cobrança, gerando esmorecimento e ansiedade. Traz conforto e força interna.

Sabugueiro

Essa flor ajuda a melhorar o fluxo de decisões internas para aqueles que tem esta dificuldade, provocando descargas elétricas nos meridianos nervosos.

Serralha

Excelente para aqueles que, diante de decepções, frustrações e desilusões, desequilibram-se facilmente, emocional e sentimentalmente. Revitaliza, nessas circunstâncias, a autoestima.

Sete-Sangrias

Em momentos nos quais não se pode dispensar perder tempo e deixar espaço para dúvidas internas, esse floral renova a vitalidade, fazendo com que se mantenha a força do querer pessoal diante dos próprios objetivos.

Trapoeraba Forte

Estimulante da circulação interior, esse floral nos dá grande sensação de renovação interna, trazendo sensações de segurança, juventude e renascimento para seguir a vida com sentido.

Verbasco

Para aqueles que, descontrolados emocionalmente ou por fraqueza momentânea na personalidade, deixam- se expor e explorar por energia alheia negativa, desvitalizando-se. Limpa a aura dessas negatividades e protege-a contra novas invasões.

 

 

 

10 DICAS PARA USAR MELHOR  AS PLANTAS MEDICINAIS

Observamos que há um crescimento desenfreado da busca da cura pelos produtos naturais e com isto cresce a divulgação de que as plantas são milagrosas e não oferecem risco de efeitos colaterais. Este fato é um risco para a população, pois significa também que mais produtos serão produzidos e vendidos muitas vezes sem a preocupação com a garantia e qualidade da espécie.

 

Veja a seguir algumas dicas muito importantes para os admiradores da fitoterapia.
1-Estar informado sobre a procedência das plantas:
Como sabemos cada planta necessita de cuidados para produzir os seus princípios medicamentosos, chamados de ativos. Quando a planta é domesticada ela precisa de tratos culturais definidos de acordo com a espécie e o melhor é contarmos com um agrônomo ou técnico para acompanhar esta etapa.

Conforme pesquisa realizada no ES foi observado que muitas pessoas realizam extrativismo, ou seja, coletam as plantas na mata sem o devido controle, ocorrendo inclusive o risco de extinção, como já ocorreu com o ipê-roxo, a espinheira-santa, a aroeira, dentre outros.

Devemos também nos informar sobre a qualidade das plantas que vamos utilizar. É importante saber o local onde foram cultivadas, a data de validade e se há acompanhamento de técnico qualificado. Não se deve coletar e cultivar plantas em locais poluídos, em beiras de estradas e rios poluídos, próximo à fossa e esgotos, etc.

2-Estar informado sobre o modo de coletar
Caso você mesmo vá fazer a coleta evite retirar todas as folhas do mesmo galho; jogue fora as folhas que estão contaminadas por fungos, insetos, etc. Retire as cascas em pedaços pequenos para evitar circundar todo o caule, pois poderá causar a morte da planta.

3Saber o momento certo de colher
Existe diferença de época de colheita de uma espécie para outra, porém muitos estudos ainda estão sendo realizados e concluídos. Recomenda-se que se colete as folhas em dias secos e se evite os horários que o sol está muito quente, principalmente no verão. Para as plantas aromáticas principalmente, pois assim se evita a evaporação das essências aromáticas que são voláteis.

4Saber conservar e secar as ervas
Deve-se secar flores e folhas em locais ventilados, livres de sujeiras, à sombra, penduradas em varais ou em bandejas em camadas finas. Cascas , raízes devem ser lavadas com água corrente e colocadas para secar ao sol. Raízes muito grossas podem ser cortadas em rodelas. Após secas, devemos guardar picadas em pedaços, em vidros de preferência escuros, secos, tampados, à sombra, com etiqueta de data de coleta e validade, mais o nome da espécie. A validade varia de 3 a 6 meses.

5-Conhecer a parte da planta que quero utilizar
É extremamente importante conhecer a parte da planta que possui atividade medicinal. Caso contrário não poderemos obter o resultado esperado. Exemplo: a camomila utilizo as flores; o mulungu a casca; o quebra pedra a planta inteira; etc.

Diferentes modos podem ser utilizados par o preparo das formas caseiras. Para o preparo do chá é melhor usarmos uma vasilha de porcelana, vidro ou barro.

6- Saber o modo de preparar
É muito importante analisar a quantidade de erva que desejo preparar para evitar o desperdício. A medida deve sempre estar baseada em livros de pessoas qualificadas. Geralmente oriento o preparo da infusão a partir de partes de plantas secas ou verdes da seguinte forma.
Para uma xícara de chá de água devo infundir uma colher da de sopa da planta verde picada ou 01 colher de chá da planta seca.

7- Saber identificar a planta
É extremamente importante à identificação de uma planta. Todas as partes da mesma serão analisadas com base em botânica e depois comparadas em literatura especializada. Aqui em Vitória diferentes espécies são conhecidas com o mesmo nome, tais como: cidreira; hortelã; camomila; boldo; etc. Não comprar plantas sem a certeza de que alguém responsável às identificou.

8-Saber como usar
Quando não sabemos usar uma planta ou fitoterápico devemos sempre recorrer a um profissional de saúde experiente.
Precisamos estar atentos ao modo de uso seja interno seja externo, pois determinadas plantas não devem ser ingeridas, outras não podem ser tomadas por muito tempo como, por exemplo, o mentrasto.
Ao oferecermos fitoterápicos para crianças devemos redobrar o cuidado. Crianças até um ano, são muito sensíveis e devemos dar apenas uma medida de colher das de chá do infuso 3 a 4 vezes ao dia.
Muitas mães desconhecem isto e chegam a dar uma mamadeira cheia de chá, o que é incorreto.

9- Conhecer o tempo de tratamento
O tempo de uso e a quantidade diária são deveras importante para o sucesso do tratamento. Determinadas doenças, tais como, diabetes, câncer, se usa preparações por muito tempo e devemos sempre acompanhar clínica e laboratorialmente o paciente.

10-Saber a toxicidade das plantas e contraindicações
Nem sempre se sabe, mas determinadas plantas produzem substâncias agressivas ao organismo humano, tais como: espirradeira, comigo ninguém pode, chapéu de Napoleão, pinhão paraguaio.
Para fazer uso de plantas em pacientes alérgicos e sensíveis devemos redobrar os cuidados.
Determinadas plantas não são recomendáveis na gravidez tais como losna, carqueja, alecrim, arruda, canela e boldo. Outras podem causar efeitos colaterais se ingeridas, tais como: óleo de copaíba, cáscara sagrada, etc.

Axé,

Odékainã

Posted in: